Tema do blog

Embora minha principal intenção seja publicar material relativo à literatura e ao cinema fantásticos, o blog poderá apresentar também materiais de cunho diversos, alguns dos quais acho interessantes de uma forma geral, portanto não estranhem se encontrarem algo fora do tema principal.
Se ao menos uma pequena parte que seja do conteúdo do blog contribuir, de alguma forma, para a divulgação das múltiplas e ricas facetas da literatura fantástica, de horror ou sobrenatural, o blog terá cumprido seu principal propósito.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

M. R. James - Lost Hearts

Mais um grande conto do ecritor inglês M. R. James, mestre das histórias de fantasmas. Este é um de seus primeiros escritos (juntamente com "O livro de recortes do cônego Alberic"), publicado em 1895. O conto trata de um rapaz, Stephen Elliot, que, após a morte de seus pais, vai morar com um tio abastado, chamado Mr. Abney. O início da história torna-se curioso devido ao grande interesse e insistência de Mr. Abney em saber a idade de seu sobrinho. Quando Mrs. Bunch, a governanta, conta a Stephen sobre o misterioso desaparecimento de dois jovens sem teto da região, ambos estando sob os cuidados de Mr. Abney, a estadia de Stephen naquela estranha mansão passa a tornar-se cada vez mais sinistra, acompanhada de estranhos acontecimentos e pedadelos terríveis.
Sem dúvida mais um dos belos contos de M. R, James, abaixo segue o texto original e integral.

Lost Hearts

It was, as far as I can ascertain, in September of the year 1811 that a post-chaise drew up before the door of Aswarby Hall, in the heart of Lincolnshire. The little boy who was the only passenger in the chaise, and who jumped out as soon as it had stopped, looked about him with the keenest curiosity during the short interval that elapsed between the ringing of the bell and the opening of the hall door. He saw a tall, square, red-brick house, built in the reign of Anne; a stone-pillared porch had been added in the purer classical style of 1790; the windows of the house were many, tall and narrow, with small panes and thick white woodwork. A pediment, pierced with a round window, crowned the front. There were wings to right and left, connected by curious glazed galleries, supported by colonnades, with the central block. These wings plainly contained the stables and offices of the house. Each was surmounted by an ornamental cupola with a gilded vane.

An evening light shone on the building, making the window-panes glow like so many fires. Away from the Hall in front stretched a flat park studded with oaks and fringed with firs, which stood out against the sky. The clock in the church-tower, buried in trees on the edge of the park, only its golden weather-cock catching the light, was striking six, and the sound came gently beating down the wind. It was altogether a pleasant impression, though tinged with the sort of melancholy appropriate to an evening in early autumn, that was conveyed to the mind of the boy who was standing in the porch waiting for the door to open to him.

The post-chaise had brought him from Warwickshire, where, some six months before, he had been left an orphan. Now, owing to the generous offer of his elderly cousin, Mr Abney, he had come to live at Aswarby. The offer was unexpected, because all who knew anything of Mr Abney looked upon him as a somewhat austere recluse, into whose steady-going household the advent of a small boy would import a new and, it seemed, incongruous element. The truth is that very little was known of Mr Abney’s pursuits or temper. The Professor of Greek at Cambridge had been heard to say that no one knew more of the religious beliefs of the later pagans than did the owner of Aswarby. Certainly his library contained all the then available books bearing on the Mysteries, the Orphic poems, the worship of Mithras, and the Neo–Platonists. In the marble-paved hall stood a fine group of Mithras slaying a bull, which had been imported from the Levant at great expense by the owner. He had contributed a description of it to the Gentleman’s Magazine , and he had written a remarkable series of articles in the Critical Museum on the superstitions of the Romans of the Lower Empire. He was looked upon, in fine, as a man wrapped up in his books, and it was a matter of great surprise among his neighbours that he should ever have heard of his orphan cousin, Stephen Elliott, much more that he should have volunteered to make him an inmate of Aswarby Hall.

Whatever may have been expected by his neighbours, it is certain that Mr Abney — the tall, the thin, the austere — seemed inclined to give his young cousin a kindly reception. The moment the front-door was opened he darted out of his study, rubbing his hands with delight.

‘How are you, my boy?— how are you? How old are you?’ said he —‘that is, you are not too much tired, I hope, by your journey to eat your supper?’

‘No, thank you, sir,’ said Master Elliott; ‘I am pretty well.’

‘That’s a good lad,’ said Mr Abney. ‘And how old are you, my boy?’

It seemed a little odd that he should have asked the question twice in the first two minutes of their acquaintance.

‘I’m twelve years old next birthday, sir,’ said Stephen.

‘And when is your birthday, my dear boy? Eleventh of September, eh? That’s well — that’s very well. Nearly a year hence, isn’t it? I like — ha, ha!— I like to get these things down in my book. Sure it’s twelve? Certain?’

‘Yes, quite sure, sir.’

‘Well, well! Take him to Mrs Bunch’s room, Parkes, and let him have his tea — supper — whatever it is.’

‘Yes, sir,’ answered the staid Mr Parkes; and conducted Stephen to the lower regions.

Mrs Bunch was the most comfortable and human person whom Stephen had as yet met at Aswarby. She made him completely at home; they were great friends in a quarter of an hour: and great friends they remained. Mrs Bunch had been born in the neighbourhood some fifty-five years before the date of Stephen’s arrival, and her residence at the Hall was of twenty years’ standing. Consequently, if anyone knew the ins and outs of the house and the district, Mrs Bunch knew them; and she was by no means disinclined to communicate her information.

Certainly there were plenty of things about the Hall and the Hall gardens which Stephen, who was of an adventurous and inquiring turn, was anxious to have explained to him. ‘Who built the temple at the end of the laurel walk? Who was the old man whose picture hung on the staircase, sitting at a table, with a skull under his hand?’ These and many similar points were cleared up by the resources of Mrs Bunch’s powerful intellect. There were others, however, of which the explanations furnished were less satisfactory.

One November evening Stephen was sitting by the fire in the housekeeper’s room reflecting on his surroundings.

‘Is Mr Abney a good man, and will he go to heaven?’ he suddenly asked, with the peculiar confidence which children possess in the ability of their elders to settle these questions, the decision of which is believed to be reserved for other tribunals.

‘Good?— bless the child!’ said Mrs Bunch. ‘Master’s as kind a soul as ever I see! Didn’t I never tell you of the little boy as he took in out of the street, as you may say, this seven years back? and the little girl, two years after I first come here?’

‘No. Do tell me all about them, Mrs Bunch — now, this minute!’

‘Well,’ said Mrs Bunch, ‘the little girl I don’t seem to recollect so much about. I know master brought her back with him from his walk one day, and give orders to Mrs Ellis, as was housekeeper then, as she should be took every care with. And the pore child hadn’t no one belonging to her — she telled me so her own self — and here she lived with us a matter of three weeks it might be; and then, whether she were somethink of a gipsy in her blood or what not, but one morning she out of her bed afore any of us had opened a eye, and neither track nor yet trace of her have I set eyes on since. Master was wonderful put about, and had all the ponds dragged; but it’s my belief she was had away by them gipsies, for there was singing round the house for as much as an hour the night she went, and Parkes, he declare as he heard them a-calling in the woods all that afternoon. Dear, dear! a hodd child she was, so silent in her ways and all, but I was wonderful taken up with her, so domesticated she was — surprising.’

‘And what about the little boy?’ said Stephen.

‘Ah, that pore boy!’ sighed Mrs Bunch. ‘He were a foreigner — Jevanny he called hisself — and he come a-tweaking his ‘urdy-gurdy round and about the drive one winter day, and master ‘ad him in that minute, and ast all about where he came from, and how old he was, and how he made his way, and where was his relatives, and all as kind as heart could wish. But it went the same way with him. They’re a hunruly lot, them foreign nations, I do suppose, and he was off one fine morning just the same as the girl. Why he went and what he done was our question for as much as a year after; for he never took his ‘urdy-gurdy, and there it lays on the shelf.’

The remainder of the evening was spent by Stephen in miscellaneous cross-examination of Mrs Bunch and in efforts to extract a tune from the hurdy-gurdy.

That night he had a curious dream. At the end of the passage at the top of the house, in which his bedroom was situated, there was an old disused bathroom. It was kept locked, but the upper half of the door was glazed, and, since the muslin curtains which used to hang there had long been gone, you could look in and see the lead-lined bath affixed to the wall on the right hand, with its head towards the window.

On the night of which I am speaking, Stephen Elliott found himself, as he thought, looking through the glazed door. The moon was shining through the window, and he was gazing at a figure which lay in the bath.

His description of what he saw reminds me of what I once beheld myself in the famous vaults of St Michan’s Church in Dublin, which possesses the horrid property of preserving corpses from decay for centuries. A figure inexpressibly thin and pathetic, of a dusty leaden colour, enveloped in a shroud-like garment, the thin lips crooked into a faint and dreadful smile, the hands pressed tightly over the region of the heart.

As he looked upon it, a distant, almost inaudible moan seemed to issue from its lips, and the arms began to stir. The terror of the sight forced Stephen backwards and he awoke to the fact that he was indeed standing on the cold boarded floor of the passage in the full light of the moon. With a courage which I do not think can be common among boys of his age, he went to the door of the bathroom to ascertain if the figure of his dreams were really there. It was not, and he went back to bed.

Mrs Bunch was much impressed next morning by his story, and went so far as to replace the muslin curtain over the glazed door of the bathroom. Mr Abney, moreover, to whom he confided his experiences at breakfast, was greatly interested and made notes of the matter in what he called ‘his book’.

The spring equinox was approaching, as Mr Abney frequently reminded his cousin, adding that this had been always considered by the ancients to be a critical time for the young: that Stephen would do well to take care of himself, and to shut his bedroom window at night; and that Censorinus had some valuable remarks on the subject. Two incidents that occurred about this time made an impression upon Stephen’s mind.

The first was after an unusually uneasy and oppressed night that he had passed — though he could not recall any particular dream that he had had.

The following evening Mrs Bunch was occupying herself in mending his nightgown.

‘Gracious me, Master Stephen!’ she broke forth rather irritably, ‘how do you manage to tear your nightdress all to flinders this way? Look here, sir, what trouble you do give to poor servants that have to darn and mend after you!’

There was indeed a most destructive and apparently wanton series of slits or scorings in the garment, which would undoubtedly require a skilful needle to make good. They were confined to the left side of the chest — long, parallel slits about six inches in length, some of them not quite piercing the texture of the linen. Stephen could only express his entire ignorance of their origin: he was sure they were not there the night before.

‘But,’ he said, ‘Mrs Bunch, they are just the same as the scratches on the outside of my bedroom door: and I’m sure I never had anything to do with making them .’

Mrs Bunch gazed at him open-mouthed, then snatched up a candle, departed hastily from the room, and was heard making her way upstairs. In a few minutes she came down.

‘Well,’ she said, ‘Master Stephen, it’s a funny thing to me how them marks and scratches can ‘a’ come there — too high up for any cat or dog to ‘ave made ’em, much less a rat: for all the world like a Chinaman’s finger-nails, as my uncle in the tea-trade used to tell us of when we was girls together. I wouldn’t say nothing to master, not if I was you, Master Stephen, my dear; and just turn the key of the door when you go to your bed.’

‘I always do, Mrs Bunch, as soon as I’ve said my prayers.’

‘Ah, that’s a good child: always say your prayers, and then no one can’t hurt you.’

Herewith Mrs Bunch addressed herself to mending the injured nightgown, with intervals of meditation, until bed-time. This was on a Friday night in March, 1812.

On the following evening the usual duet of Stephen and Mrs Bunch was augmented by the sudden arrival of Mr Parkes, the butler, who as a rule kept himself rather to himself in his own pantry. He did not see that Stephen was there: he was, moreover, flustered and less slow of speech than was his wont.

‘Master may get up his own wine, if he likes, of an evening,’ was his first remark. ‘Either I do it in the daytime or not at all, Mrs Bunch. I don’t know what it may be: very like it’s the rats, or the wind got into the cellars; but I’m not so young as I was, and I can’t go through with it as I have done.’

‘Well, Mr Parkes, you know it is a surprising place for the rats, is the Hall.’

‘I’m not denying that, Mrs Bunch; and, to be sure, many a time I’ve heard the tale from the men in the shipyards about the rat that could speak. I never laid no confidence in that before; but tonight, if I’d demeaned myself to lay my ear to the door of the further bin, I could pretty much have heard what they was saying.’

‘Oh, there, Mr Parkes, I’ve no patience with your fancies! Rats talking in the wine-cellar indeed!’

‘Well, Mrs Bunch, I’ve no wish to argue with you: all I say is, if you choose to go to the far bin, and lay your ear to the door, you may prove my words this minute.’

‘What nonsense you do talk, Mr Parkes — not fit for children to listen to! Why, you’ll be frightening Master Stephen there out of his wits.’

‘What! Master Stephen?’ said Parkes, awaking to the consciousness of the boy’s presence. ‘Master Stephen knows well enough when I’m a-playing a joke with you, Mrs Bunch.’

In fact, Master Stephen knew much too well to suppose that Mr Parkes had in the first instance intended a joke. He was interested, not altogether pleasantly, in the situation; but all his questions were unsuccessful in inducing the butler to give any more detailed account of his experiences in the wine-cellar.
* * * * *

We have now arrived at March 24, 1812. It was a day of curious experiences for Stephen: a windy, noisy day, which filled the house and the gardens with a restless impression. As Stephen stood by the fence of the grounds, and looked out into the park, he felt as if an endless procession of unseen people were sweeping past him on the wind, borne on resistlessly and aimlessly, vainly striving to stop themselves, to catch at something that might arrest their flight and bring them once again into contact with the living world of which they had formed a part. After luncheon that day Mr Abney said:

‘Stephen, my boy, do you think you could manage to come to me tonight as late as eleven o’clock in my study? I shall be busy until that time, and I wish to show you something connected with your future life which it is most important that you should know. You are not to mention this matter to Mrs Bunch nor to anyone else in the house; and you had better go to your room at the usual time.’

Here was a new excitement added to life: Stephen eagerly grasped at the opportunity of sitting up till eleven o’clock. He looked in at the library door on his way upstairs that evening, and saw a brazier, which he had often noticed in the corner of the room, moved out before the fire; an old silver-gilt cup stood on the table, filled with red wine, and some written sheets of paper lay near it. Mr Abney was sprinkling some incense on the brazier from a round silver box as Stephen passed, but did not seem to notice his step.

The wind had fallen, and there was a still night and a full moon. At about ten o’clock Stephen was standing at the open window of his bedroom, looking out over the country. Still as the night was, the mysterious population of the distant moon-lit woods was not yet lulled to rest. From time to time strange cries as of lost and despairing wanderers sounded from across the mere. They might be the notes of owls or water-birds, yet they did not quite resemble either sound. Were not they coming nearer? Now they sounded from the nearer side of the water, and in a few moments they seemed to be floating about among the shrubberies. Then they ceased; but just as Stephen was thinking of shutting the window and resuming his reading of Robinson Crusoe , he caught sight of two figures standing on the gravelled terrace that ran along the garden side of the Hall — the figures of a boy and girl, as it seemed; they stood side by side, looking up at the windows. Something in the form of the girl recalled irresistibly his dream of the figure in the bath. The boy inspired him with more acute fear.

Whilst the girl stood still, half smiling, with her hands clasped over her heart, the boy, a thin shape, with black hair and ragged clothing, raised his arms in the air with an appearance of menace and of unappeasable hunger and longing. The moon shone upon his almost transparent hands, and Stephen saw that the nails were fearfully long and that the light shone through them. As he stood with his arms thus raised, he disclosed a terrifying spectacle. On the left side of his chest there opened a black and gaping rent; and there fell upon Stephen’s brain, rather than upon his ear, the impression of one of those hungry and desolate cries that he had heard resounding over the woods of Aswarby all that evening. In another moment this dreadful pair had moved swiftly and noiselessly over the dry gravel, and he saw them no more.

Inexpressibly frightened as he was, he determined to take his candle and go down to Mr Abney’s study, for the hour appointed for their meeting was near at hand. The study or library opened out of the front-hall on one side, and Stephen, urged on by his terrors, did not take long in getting there. To effect an entrance was not so easy. It was not locked, he felt sure, for the key was on the outside of the door as usual. His repeated knocks produced no answer. Mr Abney was engaged: he was speaking. What! why did he try to cry out? and why was the cry choked in his throat? Had he, too, seen the mysterious children? But now everything was quiet, and the door yielded to Stephen’s terrified and frantic pushing.
* * * * *

On the table in Mr Abney’s study certain papers were found which explained the situation to Stephen Elliott when he was of an age to understand them. The most important sentences were as follows:

‘It was a belief very strongly and generally held by the ancients — of whose wisdom in these matters I have had such experience as induces me to place confidence in their assertions — that by enacting certain processes, which to us moderns have something of a barbaric complexion, a very remarkable enlightenment of the spiritual faculties in man may be attained: that, for example, by absorbing the personalities of a certain number of his fellow-creatures, an individual may gain a complete ascendancy over those orders of spiritual beings which control the elemental forces of our universe.

‘It is recorded of Simon Magus that he was able to fly in the air, to become invisible, or to assume any form he pleased, by the agency of the soul of a boy whom, to use the libellous phrase employed by the author of the Clementine Recognitions , he had “murdered”. I find it set down, moreover, with considerable detail in the writings of Hermes Trismegistus, that similar happy results may be produced by the absorption of the hearts of not less than three human beings below the age of twenty-one years. To the testing of the truth of this receipt I have devoted the greater part of the last twenty years, selecting as the corpora vilia of my experiment such persons as could conveniently be removed without occasioning a sensible gap in society. The first step I effected by the removal of one Phoebe Stanley, a girl of gipsy extraction, on March 24, 1792. The second, by the removal of a wandering Italian lad, named Giovanni Paoli, on the night of March 23, 1805. The final “victim”— to employ a word repugnant in the highest degree to my feelings — must be my cousin, Stephen Elliott. His day must be this March 24, 1812.

‘The best means of effecting the required absorption is to remove the heart from the living subject, to reduce it to ashes, and to mingle them with about a pint of some red wine, preferably port. The remains of the first two subjects, at least, it will be well to conceal: a disused bathroom or wine-cellar will be found convenient for such a purpose. Some annoyance may be experienced from the psychic portion of the subjects, which popular language dignifies with the name of ghosts. But the man of philosophic temperament — to whom alone the experiment is appropriate — will be little prone to attach importance to the feeble efforts of these beings to wreak their vengeance on him. I contemplate with the liveliest satisfaction the enlarged and emancipated existence which the experiment, if successful, will confer on me; not only placing me beyond the reach of human justice (so-called), but eliminating to a great extent the prospect of death itself.’
* * * * *

Mr Abney was found in his chair, his head thrown back, his face stamped with an expression of rage, fright, and mortal pain. In his left side was a terrible lacerated wound, exposing the heart. There was no blood on his hands, and a long knife that lay on the table was perfectly clean. A savage wild-cat might have inflicted the injuries. The window of the study was open, and it was the opinion of the coroner that Mr Abney had met his death by the agency of some wild creature. But Stephen Elliott’s study of the papers I have quoted led him to a very different conclusion.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Alan Wake - Uma breve análise

Tela inicial do game

Alan Wake é um game em 3° pessoa de ação que conta uma interessante história de suspense e terror.
Lançado em Maio de 2010 pela desenvolvedora Remedy como exclusivo para o console Xbox 360 e posteriormente para o PC em 2012 o jogo é um prato cheio para aqueles que gostam de uma boa história de horror psicológico, com boas doses de suspense e uma ambientação sinistra e perfeitamente "dark".
Não é meu costume abordar jogos aqui no blog, no entanto para Alan Wake (e outros títulos interessantes que o mereçam) abrirei uma exceção, pois também sou fã do mundo dos games e sempre que possível acompanho boas histórias através dos controles de meu PS3 e Xbox 360.
Farei um breve análise da versão para Xbox 360, que é a que possuo, abordando todos os seus aspectos, mas com foco principal na história, que para mim é o mais importante neste tipo de game.Dificilmente jogo um jogo apenas por diversão, ou para matar o tempo, o que me desperta o interesse é o que o jogo conta, principalmente se for um bom jogo de survival horror, como Alan Wake, Dead Space, Silent Hill e alguns da nossa amada e famosa série Resident Evil.Então como costumo dizer:
"Lets go and be my guests, gentlemen"!


A história baseia-se obviamente no protagonista Alan Wake, um escritor de histórias de terror de sucesso, que no momento parece estar tendo um daqueles famosos "bloqueios criativos". Ele e sua esposa viajam em férias para uma pequena cidade norte-americana intitulada "Bright falls". A mulher de Alan Wake aluga um chalé bastante retirado na cidade, onde ao chegarem, ela confessa a Alan que a viagem tem também o intuito de tentar proporcionar uma condição favorável para que seu marido volte a escrever. 
No início do jogo Alan sofre um acidente de carro e percebemos então a linha mestra do game na qual Alan Wake parece estar vivendo um pesadelo, onde personagens de suas histórias tornam-se reais e o protagonista tem que enfrentá-los, são os chamados "possuídos", ou "Taken" no original em inglês.
O enredo da história deslancha quando a esposa de Alan desaparece engolida pela negras águas do lago que circunda o chalé em que estão alojados, o que acontece durante uma queda de energia no chalé na qual descobrimos que a mulher tem fobia de locais escuros. 
A partir desse ponto a história segue, durante seis episódios, com alan Wake tentando desesperadamente encontrar sua esposa, para isso ele é forçado a adentrar me florestas sombrias, parques , cidades fantasmas, minas e muitos outros locais quase sempre rurais. Ao início de cada episódio você tem um resumo do anterior, através de um pequeno filme, no entanto eu o vejo como desnecessário, pois é muito curto e simplório.
Abaixo o trailer oficial de lançamento do game:

Alguns detalhes da história do game são interessantíssimos para enriquecê-la, cito aqui os principais:
  • Páginas de manuscritos: São encontradas durante o game em pontos aleatórios, estas páginas esclarecem situações que já aconteceram no game ou então dão dicas a respeito de algo que ainda está por vir. Joguei o game traduzido para o português e pude perceber que os manuscritos são sempre bem escritos, isso é alho que para mim dá bastante credibilidade a Alan Wake.
  • Série de TV "The Night Springs": Ao longo do jogo você encontra algumas TV's que, ao ligá-las são apresentado pequenos episódios com histórias enigmáticas e com um humor carregadamente negro. são pequenas histórias que em sua maioria são interessantes. 
  • Rádios: Pelas localidades estão distribuídos rádios que apresentam um programa local, o qual noticia os acontecimentos da cidade, desde os corriqueiros como "A festa do cervo" até os mais estranhos como uma perseguição policial a Alan Wake ou o depoimento de um morador local a respeito de estranhos "seres" vistos à noite nas florestas locais.
Alan Wake assiste a um dos episódios da sombria série "Night Springs".


A ambientação de Alan Wake é um dos seus pontos positivos, o jogo transcorre quase que em sua totalidade em cenários escuros e sombrios, o que casa perfeitamente com a história, não deixando em momento algum aquele sentimento de artificialidade que alguns jogos apresentam. Nas florestas escuras e possível sentir o vento balançando os galhos das árvores. Acredito que o ponto a ser melhorado seria a diversidade de cenários que acaba sendo limitada, mas nada que comprometa o clima que o jogo quer passar. Os gráficos também são bons, não são primorosos, mas são muito bons, por ser um título exclusivo da caixa poderia ser melhor trabalhado graficamente, fica abaixo evidentemente de outros exclusivos como o fantástico "Gears of Wars". As florestas são muito bem desenhadas e sua movimentação é fantástica, o detalhe aqui fica para a definição dos personagens que poderia ser melhor trabalhada. As cutscenes também são bem trabalhadas e inteligentes, mas o jogo poderia trazer mais delas, inclusive apresentando detalhes secundários ou mal explicados da história do game.

Nunca me canso de admirar os cenários do jogo, notem a predominânica proposital do azul.

Trilha sonora

A música e os efeitos sonoros que te acompanham pelo jogo também são muito bons e não ficam devendo nada ao conjunto. Quando da proximidade de inimigos o som do vento se acentua, a aproximação de inimigos também geralmente vem através de um alerta pela voz dos mesmos. Aqui a surpresa fica pela ótima sacada que o jogo traz em apresentar, ao fim de cada episódio, uma bela música para você curtir e relaxar após os momentos de tensão proporcionados pela jogatina.
Abaixo a baita soundtrack apresentada ao final do Episódio um:

Soundtrack do capítulo 1

No vídeo abaixo uma das melhores partes do game, onde você tem que defender o palco acompanhado pela fantástica trilha sonora e uma iluminação espetacular de fogos de artifícios, e ainda de brinde com o parceiro na mesa de som!!!

Defenda o palco sob som e iluminação monstruosos


A jogabilidade de Alan Wake é do tipo que se pode chamar "travada". Na verdade, é claramente proposital a dificuldade em controlar o personagem, bem como o seu armamento. De forma similar a games como "The evil within", por exemplo, onde o título aposta tudo na tensão e suspense, Alan Wake claramente não intenciona facilitar os controles. Isto na realidade não significa muito, pois quando jogado uma meia-hora no joystick de qualquer console, você se adapta muito bem ao estilo do jogo, nada mais te incomoda e o jogo se desenvolve muito bem.
O interessante do jogo é a dualidade entre o bem e o mal, luz e escuridão, isto fica evidente no uso da lanterna, talvez a "arma" mais importante do jogo. Na verdade como  os inimigos são possuídos pela escuridão antes de eliminá-los convém apontar a lanterna até que a escuridão seja "destruída", assim fica mais fácil derrotá-los com as armas comuns como pistola ou espingarda. O uso da lanterna funciona tanto em objetos, quanto humanos possuídos, no entanto a diversão fica por conta da dificuldade em eliminá-los!
Falando em armas Alan Wake é bem tradicional, contanto com poucas armas de fogo, basicamente pistola, shotgun, espingarda de caça, dinamites, granadas de luz e uma pistola de luz extremamente potente.

As principais armas - Pistola e Lanterna

A diversão no jogo, em minha opinião fica por conta da excelente história, muita bem desenvolvida e narrada e que garante uma imersão fantástica, muito bem dividida em capítulos, muitos dos quais bstante difíceis e desafiadores. Mas o que conta mesmo é a história com reviravoltas e revelações muito bem trabalhadas.

Resumo final

Alan Wake resume-se em um grande jogo de terror/suspense em terceira pessoa, comparável a títulos consagrados como "Dead Space" e "Silent Hill", por exemplo, sempre focado na tensão e história, mas carregando uma boa dose de ação, o que é essencial para a diversão. Vale muito a pena jogá-lo, não tenha dúvidas, um prazer imenso todas aquelas florestas escuras desoladas, onda a escuridão aprece surgir de todos os lados e muitas das vezes não há caminho para fugir dela, e, principalmente, daquilo que habita em seus locai mais recônditos.

História: 10
Ambientação: 10
Gráficos: 8
Trilha sonora: 9
Diversão: 9
Jogabilidade: 7
Resumo: 8.8

domingo, 27 de dezembro de 2015

Edgar Allan Poe - O barril de amontillado

Este é o conto original de Poe que deu origem ao quadrinho que acabei de postar. O tema central (vingança) aqui é recorrente na literatura do escritor, tudo caminha para culminar em um golpe final fatal, a ousadia, a pretensão, a superioridade, que Fortunato demonstra possuir de forma arrogante nos faz desejar cada vez mais pelo desfecho inexorável da história.
O barril de amontillado 

Suportei o melhor que pude as injúrias de Fortunato; mas, quando ousou insultar-me, jurei vingança. Vós, que tão bem conheceis a natureza de meu caráter, não havereis de supor, no entanto, que eu tenha proferido qualquer ameaça. No fim, eu seria vingado. Este era um ponto definitivamente assentado, mas a própria decisão com que eu assim decidira excluía qualquer idéia de perigo. Assim devia apenas castigar, mas castigar impunemente. Uma injúria permanece irreparada, quando o castigo alcança aquele que se vinga. Permanece, igualmente, sem reparado, quando o vingador deixa de fazer com que aquele que o ofendeu compreenda que e ele quem se vinga. 

   É preciso que se saiba que, nem por meio de palavras, nem de qualquer ato, dei a Fortunato motivo para que duvidasse de minha boa vontade. Continuei, como de costume, a sorrir em sua presença, e ele não percebia que o meu sorriso, agora, tinha como origem a idéia da sua imolação.

   Esse tal Fortunato tinha um ponto fraco, embora, sob outros aspectos, fosse um homem digno de ser respeitado e, até mesmo, temido. Vangloriava-se sempre de ser entendido em vinhos. Poucos italianos possuem verdadeiro talento para isso. Na maioria das vezes, seu entusiasmo se adapta aquilo que a ocasião e a oportunidade exigem, tendo em vista enganar os milionários ingleses e austríacos. Em pintura e pedras preciosas, Fortunado, como todos os seus compatriotas, era um intrujão; mas, com respeito a vinhos antigos, era sincero. Sob este aspecto, não havia grande diferença entre nós - pois que eu também era hábil conhecedor de vinhos italianos, comprando-os sempre em grande quantidade, sempre que podia. Uma tarde, quase ao anoitecer, em plena loucura do carnaval, encontrei o meu amigo. Acolheu-me com excessiva cordialidade, pois que havia bebido muito. Usava um traje de truão, muito justo e listrado, tendo à cabeça um chapéu cônico, guarnecido de gizos. Fiquei tão contente de encontra-lo, que julguei que jamais estreitaria a sua mão como naquele momento. - Meu caro Fortunato - disse-lhe eu -, foi uma sorte encontrá-lo. Mas, que bom aspecto tem você hoje! Recebi um barril como sendo de Amontillado, mas tenho minhas duvidas. - Como? - disse ele. - Amontillado? Um barril? Impossível! E em pleno carnaval! - Tenho minhas duvidas - repeti - e seria tolo que o pagasse como sendo de Amontillado antes de consultá-lo sobre o assunto. Não conseguia encontrá-lo em parte alguma, e receava perder um bom negócio. - Amontillado! - Tenho minhas dúvidas. - Amontillado! - E preciso efetuar o pagamento. - Amontillado! - Mas, como você esta ocupado, irei a procura de Luchesi. Se existe alguém que conheça o assunto, esse alguém e ele. Ele me dirá . . . - Luchesi e incapaz de distinguir entre um Amontillado e um Xerez. - Não obstante, ha alguns imbecis que acham que o paladar de Luchesi pode competir com o seu. - Vamos, vamos embora. - Para onde? - Para as suas adegas. - Não, meu amigo. Não quero abusar de sua bondade. Penso que você deve ter algum compromisso. Luchesi. . . - Não tenho compromisso algum. Vamos. - Não, meu amigo. Embora você não tenha compromisso algum, vejo que esta com muito frio. E as adegas são insuportavelmente úmidas. Estão recobertas de salitre. Apesar de tudo, vamos. Não importa o frio. Amontillado! Você foi enganado. Quanto a Luchesi, não sabe distinguir entre Xerez e Amontillado.

   Assim falando, Fortunato tomou-me pelo braço. Pus uma máscara de seda negra e, envolvendo-me bem em meu roquelaire, deixei-me conduzir ao meu palazzo. Não havia nenhum criado em casa, pois que todos haviam saído para celebrar o carnaval. Eu lhes dissera que não regressaria antes da manhã seguinte, e lhes dera ordens estritas para que não arredassem pé da casa. Essas ordens eram suficientes, eu bem o sabia, para assegurai o seu desaparecimento imediato, tão logo eu lhes voltasse as costas. Tomei duas velas de seus candelabros e, dando uma a Fortunato, conduzi-o, curvado, através de uma seqüência de compartimentos, à passagem abobadada que levava à adega. Chegamos, por fim, aos últimos degraus e detivemo-nos sobre o solo úmido das catacumbas dos Montresor. 

    O andar de meu amigo era vacilante e os guizos de seu gorro retiniam a cada um de seus passos. - E o barril? - perguntou. - Está mais adiante - respondi. - Mas observe as brancas teias de aranha que brilham nas paredes dessas cavernas. Voltou-se para mim e olhou-me com suas nubladas pupilas, que destilavam as lágrimas da embriaguez. - Salitre? - perguntou, por fim. - Salitre - respondi. - Há quanto tempo você tem essa tosse? Meu pobre amigo pôs-se a tossir sem cessar e, durante muitos minutos, não lhe foi possível responder. - Não é nada - disse afinal. - Vamos - disse-lhe com decisão. - Vamos voltar. Sua saúde é preciosa. Você é rico, respeitado, admirado, amado; você é feliz, como eu também o era. Você é um homem cuja falta será sentida. Quanto a mim, não impor-ta. Vamos embora. Você ficará doente, e não quero arcar com essa responsabilidade. Além disso, posso procurar Luchesi . . . - Basta - exclamou ele. - Esta tosse não tem importância; não me matará. Não morrerei por causa de uma simples tosse. -É verdade, é verdade - respondi. - E eu, de fato, não tenho intenção alguma de alarmá-lo sem motivo. Mas você deve tomar precauções. Um gole deste Medoc nos defenderá da umidade. E, dizendo isto, parti o gargalo de uma garrafa que se achava numa longa fila de muitas outras iguais, sobre o chão úmido. - Beba - disse, oferecendo-lhe o vinho. Levou a garrafa aos lábios, olhando-me de soslaio. Fez uma pausa e saudou-me com familiaridade, enquanto seus guizos soavam. - Bebo - disse ele - à saúde dos que repousam enterrados, em torno de nós. - E eu para que você tenha vida longa. Tomou-me de novo o braço e prosseguimos. - Estas cavernas - disse-me - são extensas. - Os Montresor - respondi - formavam uma família grande e numerosa. - Esqueci qual o seu brasão. - Um grande pé de ouro, em campo azul. O pé esmaga uma serpente ameaçadora, cujas presas se acham cravadas no salto. - E a divisa? - Nemo me impune lacessit. - Muito bem! - exclamou. O vinho brilhava em seus olhos e os guizos retiniam. Minha própria imaginação se animou, devido ao Medoc. Através de paredes de ossos empilhados, entremeados de barris e tonéis, penetramos nos recintos mais profundos das catacumbas. Detive-me de novo e, essa vez, me atrevi a segurar Fortunato pelo braço, acima do cotovelo. - O salitre! - exclamei. - Veja como aumenta. Prende-se, como musgo, nas abóbadas. Estamos sob o leito do rio. As gotas de umidade filtram-se por entre os ossos. Vamos. Voltemos, antes que seja tarde demais. Sua tosse... - Não é nada - respondeu ele. - Prossigamos. Mas, antes, tomemos outro gole do Medoc. Parti o gargalo de uma garrafa de vinho De Grâve a dei-a a Fortunato. Ele a esvaziou de um trago. Seus olhos cintilaram com brilho ardente. Pôs-se a rir e atirou a garrafa para o ar, com gesticulação que não compreendi. Olhei-o, surpreso. Repetiu o movimento, um movimento grotesco. - Você não compreende? - perguntou. - Não, não compreendo - respondi. - Então é porque você não pertence à irmandade. - Como? - Não pertence à maçonaria. - Sim, sim. Pertenço. - Você? Impossível! Um maçom? - Um maçom - respondi. - Prove-o - disse ele. - Eis aqui - respondi, tirando de debaixo das dobras de meu roquelaire uma colher de pedreiro. - Você está gracejando! - exclamou recuando alguns passos. - Mas prossigamos: vamos ao Amontillado. - Está bem - disse eu, guardando outra vez a ferramenta debaixo da capa e oferecendo-lhe o braço. Apoiou-se pesadamente em mim. Continuamos nosso caminho, em busca do Amontillado. Passamos através de uma série de baixas abóbadas, descemos, avançamos ainda, tornamos a descer e chegamos, afinal, a uma profunda cripta, cujo ar, rarefeito, fazia com que nossas velas bruxuleassem, ao invés de arder normalmente. 

   Na extremidade mais distante da cripta aparecia uma outra, menos espaçosa. Despojos humanos empilhavam-se ao longo de seus muros, até o alto das abóbadas, à maneira das grandes catacumbas de Paris. Três dos lados dessa cripta eram ainda adornados dessa maneira. Do quarto, os ossos haviam sido retirados e jaziam espalhados pelo chão, formando, num dos cantos, um monte de certa altura. Dentro da parede, que, com a remoção dos ossos, ficara exposta, via-se ainda outra cripta ou recinto interior, de uns quatro pés de profundidade, três de largura e seis ou sete de altura. Não parecia haver sido construída para qualquer uso determinado, mas constituir apenas um intervalo entre os dois enormes pilares que sustinham a cúpula das catacumbas, tendo por fundo uma das paredes circundantes de sólido granito.
   Foi em vão que Fortunato, erguendo sua vela bruxuleante, procurou divisar a profundidade daquele recinto. A luz, fraca, não nos permitia ver o fundo. - Continue - disse-lhe eu. - O Amontillado está aí dentro. Quanto a Luchesi .. . . - É um ignorante - interrompeu o meu amigo, enquanto avançava com passo vacilante, seguido imediatamente por mim. 

   Num momento, chegou ao fundo do nicho e, vendo 0 caminho interrompido pela rocha, deteve-se, estupidamente perplexo. Um momento após, eu já o havia acorrentado ao granito, pois que, em sua superfície, havia duas argolas de ferro, separadas uma da outra, horizontalmente, por um espaço de cerca de dois pés. De uma delas pendia uma corrente; da outra, um cadeado. Lançar a corrente em torno de sua cintura, para prendê-lo, foi coisa de segundos. Ele estava demasiado atônito para oferecer qualquer resistência. Retirando a chave, recuei alguns passos. - Passe a mão pela parede - disse-lhe eu. - Não poderá deixar de sentir o salitre. Está, com efeito, muito úmida. Permita-me, ainda uma vez, que lhe implore para voltar. Não? Então, positivamente, tenho de deixá-lo. Mas, primeiro, devo prestar-lhe todos os pequenos obséquios ao meu alcance. - O Amontillado! - exclamou o meu amigo, que ainda não se refizera de seu assombro. - É verdade - respondi -, o Amontillado.

    E, dizendo essas palavras, pus-me a trabalhar entre a pilha de ossos a que já me referi. Jogando-os para o lado, deparei logo com uma certa quantidade de pedras de construção e argamassa. Com este material e com a ajuda de minha colher de pedreiro, comecei ativamente a tapar a entrada do nicho. Mal assentara a primeira fileira de minha obra de pedreiro, quando descobri que a embriaguez de Fortunato havia, em grande parte, se dissipado. O primeiro indício que tive disso foi um lamentoso grito, vindo do fundo do nicho. Não era o grito de um homem embriagado. Depois, houve um longo e obstinado silêncio. Coloquei a segunda, a terceira e a quarta fileiras. Ouvi, então, as furiosas sacudidas da corrente. O ruído prolongou-se por alguns minutos, durante os quais, para deleitar-me com ele, interrompi o meu trabalho e sentei-me sobre os ossos. Quando, por fim, o ruído cessou, apanhei de novo a colher de pedreiro e acabei de colocar, sem interrupção, a quinta, a sexta e a sétima fileiras. A parede me chegava, agora, até a altura do peito. Fiz uma nova pausa e, segurando a vela por cima da obra que havia executado, dirigi a fraca luz sobre a figura que se achava no interior. 

    Uma sucessão de gritos altos e agudos irrompeu, de repente, da garganta do vulto acorrentado, e pareceu impelir-me violentamente para trás. Durante breve instante, hesitei... tremi. Saquei de minha espada e pus-me a desferir golpes no interior do nicho; mas um momento de reflexão bastou para tranqüilizar-me. Coloquei a mão sobre a parede maciça da catacumba e senti-me satisfeito. Tornei a aproximar-me da parede e respondi aos gritos daquele que clamava. Repeti-os, acompanhei-os e os venci em volume e em força. Fiz isso, e o que gritava acabou por silenciar. 

    Já era meia-noite, a minha tarefa chegava ao fim. Completara a oitava, a nona e a décima fileiras. Havia terminado quase toda a décima primeira - e restava apenas uma pedra a ser colocada e rebocada em seu lugar. Ergui-a com grande esforço, pois que pesava muito, e coloquei-a, em parte, na posição a que se destinava. Mas, então, saiu do nicho um riso abafado que me pôs os cabelos em pé. Seguiu-se-lhe uma voz triste, que tive dificuldade em reconhecer como sendo a do nobre Fortunato. A voz dizia: - Ah! ah! ah! . . . eh! eh! eh! . . . Esta é uma boa piada... uma excelente piada! Vamos rir muito no palazzo por causa disso . . . ah! ah! ah! . . . por causa do nosso vinho... ah! ah! ah! - O Amontillado! - disse eu. - Ah! ah! ah! . . . sim, sim . . . o Amontillado. Mas não está ficando tarde? Não estarão nos esperando no palácio. . . a Sra. Fortunato e os outros? Vamos embora. - Sim - respondi -, vamos embora. - Pelo amor de Deus, Montresor! - Sim - respondi -, pelo amor de Deus! Mas esperei em vão qualquer resposta a estas palavras. Impacientei-me. Gritei, alto: - Fortunato! Nenhuma resposta. Tornei a gritar: - Fortunato! 

    Ainda agora, nenhuma resposta. Introduzi uma vela pelo orifício que restava e deixei-a cair dentro do nicho. Chegou até mim, como resposta, apenas um tilintar de guizos. Senti o coração opresso, sem dúvida devido à umidade das catacumbas. Apressei-me para terminar o meu trabalho. Com esforço, coloquei em seu lugar a última pedra - e cobri-a com argamassa. De encontro à nova parede, tornei a erguer a antiga muralha de ossos. Durante meio século, mortal algum os perturbou. In pace requiescat!

Edgar Allan Poe - O barril de Amontillado - Adaptação aos quadrinhos

Esta é mais uma das muitas adaptações que as histórias de Poe tiveram para os quadrinhos. Aqui a ação se passa em meio à celebração do Carnaval,  enquanto farra e bebida tomavam conta da superfície da cidade, em seus subterrâneos, nas mais recônditas catacumbas, um lúgubre episódio tinha lugar. Aqui podemos tomar nota também da magnífica arte de Reed Crandall no preto-e-branco que cria uma atmosfera perfeita para a história. Os scans foram retirados de minha coleção pessoal "Creepy - Contos clássicos de terror - Vol. 2, publicada em 2013 pelo dueto Devir/Dark Horse". Esta coleção em 3 edições reproduz algumas das histórias clássicas da antiga Creepy da EC (aqueles quadrinhos clássicos da década de 50 que vocês já conhecem: Eerie, Kripta, Creepy, etc.).
O único detalhe "negativo" da adaptação fica por conta do final que foi mudado,e para pior por sinal. Para os conhecedores de Poe, notarão que o conto dos escritor acaba de forma magistral como está representado na penúltima página do quadrinho, sendo a última um acréscimo inútil e lamentável, o que denota retira toda a genialidade do conto de Poe. Mas para que a adaptação na perca o brilho é só deixar a última página de fora.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Edgar Allan Poe - O gato preto - Adaptação aos quadrinhos

A seguir apresento uma adaptação para os quadrinhos do conto "O gato preto" de E. A. Poe, publicada na revista Creepy, N° 62, em Maio de 74. O destaque aqui fica para o artista Berni Wrightson em excelente performance (os enquadramentos maiores são magistrais). Estes quadrinhos da época da EC foram e são o supra-sumo do preto-e-branco, produções belíssimas e que quando aliadas a histórias de mestres da literatura com é o caso de Poe, são garantia de qualidade. Os scans foram retirado do blog http://caixadegibis.blogspot.com.br/, seguem os mesmos:

terça-feira, 18 de agosto de 2015

O Quarto 406 - Marco R. Oliveira

Abaixo segue outro conto de minha própria autoria.  Basicamente trata-se de uma história de fantasma, com passagens de terror e um pouco de suspense para prender a atenção do leitor. Tratei de ambientá-la dentro de um hospital para tentar trazer proximidade com a nossa realidade. Elaborei o conto para participar do Desafio do Terror do site Recanto das letras, que publica contos interessantíssimos de diversos escritores.  O conto fica como um tributo aos mestres das ghost stories, tais como M. R. James, Sheridan Le Fanu, Edith Wharton e muitos outros. 

O Quarto 406

Aconteceu à época de minha residência médica no Hospital Memorial C..., em Campinas. Aqueles foram bons tempos, nos quais alcancei muitas conquistas. A medicina proporcionou-me, como era esperado, satisfação plena de meus anseios profissionais. No entanto, grata foi a minha surpresa, ao perceber o quanto eu havia crescido também como pessoa, durante o aprendizado daquela bela profissão. É verdade que algumas lembranças estranhas, herança daqueles dias, continuam vivamente impressas em minha memória, e pensamentos obscuros ainda me atormentam quando tais recordações vêm à tona.
O Memorial C... era uma construção imponente, a entrada principal ficava recuada em relação à rua, cerca de quinze metros, ao longo de toda a sua fachada cinzenta. Toda essa lacuna, exceto a passagem central que conduzia à entrada e era ladeada por grades, era tomada por um jardim. Não muito alto, era composto por seis pavimentos, um dos quais era o térreo, contudo assentava-se sobre todo um quarteirão e sua planta, simples e quadrangular, aproveitava todos os espaços, sendo assim formidável a sua capacidade.
Eu já havia estagiado por muitas das especialidades que o Memorial atendia, e agora me deleitava em uma que já ocupava lugar de honra entre as minhas preferidas: A cirurgia. Assombrava-me a perícia que os médicos-cirurgiões demonstravam durante as operações, a precisão no corte, a incisão perfeita, os instrumentos afiadíssimos, a irrigação sanguínea do local afetado, e principalmente, o momento em que o paciente recobrava a consciência. É fato, logicamente, que nem todas terminavam de forma feliz, aliás, algumas já estavam fadadas ao fracasso desde o seu princípio.
Ainda me recordo de uma delas que me impressionou profundamente. Era um caso de aborto, porém como o estágio da gravidez já era avançado e o feto, após sua morte, não fora eliminado espontaneamente, deveria ser retirado.  Os instrumentos usados na ocasião pareceram-me brutos demais, eram enormes, as tesouras, as pinças. Os médicos retiravam os restos da criança aos pedaços, não saíra inteiro, era uma cena dantesca. Pensei em mim no lugar daquela mulher, não pude suportar e saí da sala. Durante vários dias permaneci angustiada, não imaginava que o milagre da vida poderia ser tornar algo tão pavoroso. Aquilo me abalou por muito tempo.
O quarto 406 era uma das salas onde os pacientes eram acomodados antes de irem para o centro cirúrgico e depois de voltarem dele. Ali o paciente se restabelecia durante o pós-operatório. Eu me familiarizara com aquela sala e sempre que estava vazia aproveitava para fazer minhas anotações ali. Muitas vezes depois de uma das “sessões”, como eu costumava chamar os trabalhos cirúrgicos, eu subia até o quarto para registrar detalhes específicos que houvessem ocorrido, pois algumas cirurgias eram muito peculiares e complexas, principalmente as relacionadas aos nervos.
Depois de um tempo a frequentar aquele quarto, algo começou a me incomodar. Era comum, quando eu estava ali sentada, sozinha, sentir um corrente de ar, como se fosse um vento frio a circular pelo ambiente, quase imperceptível. Essa situação, dada a frequência em que ocorria, desagradava-me bastante, de maneira que todas as vezes que ia usar a sala, antes fechava todas as janelas. O que parecia de nada adiantar.
Certa tarde um dos funcionários da manutenção veio ao quarto, estando eu presente, era um senhor, magríssimo, já avançado na idade, ao perceber-me disse:
- Desculpe doutora, não sabia que o quarto estava em uso...
- Não se preocupe, já estou de saída.
- Vim ver o que acontece com o ar condicionado, disseram que não está funcionando...
- Não costumo usá-lo, nem sabia que estava defeituoso. Aliás, nesta sala parece haver sempre um corrente de ar, sabe se existe alguma outra abertura que não seja as das janelas, senhor?
- Nunca ouvi falar, os quartos dessa ala são os mais bem vedados do hospital, também nunca senti vento nenhum aqui, doutora.
- Estranho, respondi, tenho certeza de que se dessem uma olhada melhor achariam alguma abertura escondida por onde o ar se infiltra.
- Pode deixar doutora, vou aproveitar e verificar todas as janelas.
- Obrigado e bom trabalho então!
- Até mais ver, doutora.
Algum tempo depois comentei sobre o quarto 406 com uma das enfermeiras mais velhas do hospital. Chamava-se Magda, era alta e corpulenta, e tinha o cabelo preto cortado bem curto. Seu rosto era redondo, macilento e dotado de um olhar perverso, muitas vezes observei que maltratava os pacientes idosos, movimentando-os bruscamente e também durante a medicação, principalmente nas aplicações intravenosas. Admirava-me que a administração do hospital ainda não a houvesse despedido, pois eram constantes as reclamações a seu respeito. Ao ouvir minhas impressões sobre o quarto 406 primeiro soltou um risinho misterioso, depois se aproximou de tal forma que senti seu hálito quente bafejar em meu rosto (era um cheiro horrível) e disse: “Vou lhe contar uma história, Laura, que ouvi a respeito daquele quarto, da qual tomei conhecimento através de uma das enfermeiras que presenciou o episódio ”. Fomos tomar um café e foi então que me contou o seguinte:
Há cerca de quatro anos atrás, trabalhava aqui conosco um médico, chamava-se Dr. Carlos e era um cirurgião geral ainda sem muita experiência. Muito orgulhoso de si mesmo, achava-se um profundo conhecedor dos mistérios da medicina, como é comportamento costumeiro dessa classe de açougueiros que ultimamente jorram em nosso país aos borbotões (assim dizendo encarou-me com um olhar severo, a megera). Dificilmente discutia sobre seus pacientes com os companheiros de trabalho e distribuía diagnósticos aos quatro ventos, muitos dos quais, se considerados por algum profissional de gabarito, sem dúvida seriam contestados.
Naquele tempo, em uma noite chuvosa, na qual o doutor Carlos estava de plantão, deu entrada no hospital uma paciente, que se encontrava em estado lastimável. Era uma moça nova, portadora de uma fratura exposta localizada na perna direita, das grandes. Duas enfermeiras entraram no quarto 406 empurrando a maca, a mulher urrava de dor, a coisa estava feia para ela. Carlos, após um exame rápido, dado o estrago na perna da mulher, concluiu que a paciente deveria ser preparada para a cirurgia imediatamente. As enfermeiras então imobilizaram o membro fraturado e, deixando a paciente aos seus cuidados, saíram da sala. O Doutor preparou uma seringa com uma dose de T..., um poderoso analgésico, que por vezes chegava a causar inconsciência. Aproximou-se da mulher com o medicamento em mãos ao que ela, gemendo de dor, disse:
- O que vai injetar em mim Doutor?
- Trata-se de um medicamento para aliviar sua dor, não se preocupe.
- Tudo bem doutor, mas o que é? Gostaria de saber...
- Fique calma, confie em mim, logo vai se sentir melhor.
E assim dizendo aplicou a medicação no braço da paciente, que estava imobilizada, imediatamente ela pareceu adormecer. O doutor, então, dirigiu-se ao centro cirúrgico para reservar uma das salas e dar início aos procedimentos pré-operatórios.
Ao voltar ao quarto, pouco depois, estranhou que a paciente ainda estivesse inconsciente e aproximou-se dela. Seu rosto estava muito pálido e as pupilas dilatadas, percebeu que algo ali estava errado. Tentou captar a respiração através de um espelho aplicado à boca, nada! Constatou também que não havia pulso. Um pensamento o fez estremecer. Agarrou o prontuário que estava preso à maca e leu as poucas linhas que este continha. Inútil dizer mais, ali estavam listados três medicamentos aos quais a paciente relatara já haver sofrido reações adversas em outras ocasiões. Todos os três tinham como componente base o mesmo do medicamento T... que o doutor lhe aplicara, a única diferença era quem em T... sua proporção era muito maior. Imediatamente lançou mão do telefone e alertou às enfermeiras de que tinham um quadro de parada cardiorrespiratória.
Em instantes o quarto estava povoado de jalecos brancos movimentando-se em profusão em torno da maca. Tentaram reanimá-la de todas as formas, ligaram-na a um sistema de respiração artificial e passaram a aplicar-lhe massagem cardíaca por alguns minutos, até perceberem que, não obtendo resposta, o entorno de seus olhos já começava a se arroxear. O doutor então mandou que preparassem o desfibrilador. Pediu espaço. Aplicou a primeira descarga. Nada. Aguardou a tensão estabilizar-se.  Separou bem as placas. Nova descarga, sem resposta. O monitor cardíaco há muito era apenas uma linha contínua, durante as duas descargas ondulou em um espectro sem padrão ou frequência, para, em seguida, voltar a emitir o seu bip imperturbável, constante, agourento. Uma terceira descarga, nenhuma chance, desligaram todos os equipamentos, exceto o monitor, os ruídos cessaram, o grupo se desfez, todos saíram, permaneceram apenas três naquela lúgubre sala, o doutor, a paciente e a morte.
- E então? Perguntei eu, ao perceber que Magda parecia ter encerrado sua narrativa.
- Acabou. Respondeu gravemente.
- E o doutor Carlos ficou impune? Não descobriram o que aconteceu? Ajuntei indignada.
- Na verdade, Laura, de certa forma, ele foi sim punido, mas de uma maneira que foge ao convencional. Na época, nenhuma pena lhe foi imputada, afirmaram que a parada cardiorrespiratória foi causada pela perda de sangue em excesso, e o falecimento fora inevitável. Assim, o diagnóstico oficial favoreceu o doutor, que escapou ileso, ou quase, por assim dizer, pois pouco tempo depois foi internado em um manicômio, onde permanece até hoje, e de onde acredito, nunca mais sairá.
- Por que diz isso? O que aconteceu? Perguntei.
- Porque, minha cara, a história tem um adendo sinistro, o qual o próprio doutor deixou escapar pouco tempo antes de enlouquecer, ele certamente já não deveria estar em seu perfeito juízo quando declarou essa sentença, mas ouça e julgue por si mesma:
Quando todos saíram do quarto 406, o doutor sentou-se numa das cadeiras e permaneceu absorto em seus pensamentos. Talvez estivesse a considerar o peso do fardo que seu erro jogara-lhe aos ombros, ou talvez, cego de espírito pela sua soberba, não considerasse, quem sabe?  Fato é que estando desta forma, um ruído chamou sua atenção. Olhou para a maca e viu que um dos braços da paciente havia resvalado e pendia suspenso ao lado do corpo. Inconscientemente se levantou para arrumar o cadáver. Quando estava prestes a tocar o braço da morta, esta foi mais rápida e o agarrou com força assustadora e ergueu lentamente o quadril, encarando o doutor. Seu rosto, dissera ele, era o próprio retrato da morte, em lugar dos olhos orbitavam dois espaços negros. Da sua boca saíram estas palavras:
- Vai pagar pelo que me fez, maldito! Cedo ou tarde! Assim jura minha alma!
E então soltou o doutor, que tombou para trás, e caiu inconsciente. Foi despertado horas depois, quando chegaram os funcionários responsáveis pela remoção da falecida. Um fato curioso, embora absurdo, em minha opinião, e que é conhecido apenas de amigos íntimos do doutor (amigos estes que, na minha opinião, além de íntimos, possuíam a imaginação deveras fértil), diz respeito a uma marca que ele portava. Em seu braço esquerdo, dizem, como se tivesse sido gravada a fogo, viam-se cinco dedos longos e finos em forma de uma mão. Eu, embora seja contemporânea dele, nunca vi esse marca e, obviamente, não creio que ele realmente a tenha. E agora, querida, você tem a história completa. E virou-me as costas, deixando-me com mil perguntas a fazer.
Confesso que não sou supersticiosa, nem tampouco me quedo a crer nesta visão convencional a respeito dos fantasmas, a qual sugere que essas criaturas possam vagar sobre a terra, impulsionadas por quaisquer que sejam seus insólitos propósitos. No entanto, esse meu sentimento não impediu que crescesse cada vez mais em mim uma aversão ao quarto 406, passei a usá-lo com menos frequência e, preferencialmente, enquanto a luz do dia ainda se filtrava pelas suas janelas. É que a noite já não me permitia um estado de concentração favorável para minhas anotações, sempre que ali permanecia após o crepúsculo, minha caligrafia tornava-se deplorável. Adquiri também um costume, provavelmente influenciada pelo que soube aconteceu naquela sala, de, após apagar a luz, antes de sair, virar-me e contemplar o seu interior. Estranhamente, a escuridão nunca era completa, parecia que habitava ali uma penumbra constante, uma aura sinistra. Com o tempo, percebi que este não era um hábito saudável e o abandonei.
Certo dia, estava eu a usar a sala e, compenetrada em meus afazeres, quando dei por mim, percebi que já anoitecera. A temperatura caíra bruscamente e eu não trazia blusa comigo, censurei-me por isso. Guardei meu caderno, livros e demais pertences e estava prestes a levantar, quando ouvi barulho de algo caindo no banheiro do quarto. Levantei e para lá me dirigi, ao abrir a porta uma lufada de ar frio atravessou-me os ossos em cheio, estremeci. Alguns itens higiênicos que estavam sobre a pia haviam caído e isso causara o barulho. Abaixe-me e passei a recolhê-los. Foi quando senti um sopro leve e gelado em minha nuca, todos os meus pequeninos pelos ali se eriçaram e o banheiro pareceu transformar-se, subitamente, num frigorífico.
Eu podia observar as baforadas de minha respiração suspensas no ar diante de mim. Virei-me. Deus! Não deveria tê-lo feito! Antes tivesse perdido o dom da visão! A aparição diante mim era espectral! O esboço de uma estrutura humana feminina, completamente translúcida! Era magríssima e em toda a sua extensão corria uma espécie de emaranhado de veias e artérias azuladas. Minha visão então repousou sobre o seu braço direito, o qual ela estendia em minha direção a ponto de quase me tocar. Ali aquela profusão de vasos sanguíneos era ainda mais intensa, centenas deles, se possível fosse contá-los. Foi então que vi algo que fez minha respiração estancar. Ali em seu braço, pendurada, balançando, suspensa apenas pela agulha, a horrenda forma de uma seringa ainda úmida de sangue! Com um grito abandonei aquele quarto e corri como nunca pelos corredores daquele maldito hospital, parando apenas quando me vi, já na rua, sem fôlego.
 Durante todo o restante de minha residência, que felizmente já se aproximava do fim, não mais entrei naquele quarto. Passado o terror do acontecido, ficou em mim um sentimento profundo de tristeza e amargor. Por vezes a melancolia tomava conta dos meus pensamentos e eu ficava, prostrada, a imaginar o martírio daquelas almas para além da morte, que prosseguiam acorrentadas a este mundo, sem descanso, atormentadas por não aceitarem o cruel e imerecido destino que tiveram em vida. Por fim, meus dias no Memorial C... findaram, e parti finalmente, pronta para exercer meu ofício.


                Alguns anos depois, eu já clinicava em meu consultório particular, quando uma amiga minha de Campinas, a visitar-me, trouxe-me uma triste notícia. O Hospital memorial C... fora desativado, o lugar agora tornara-se um prédio de escritórios. Não mudara muito externamente, segundo me disse, mas por dentro as salas foram completamente destruídas para dar lugar àquele conhecido inferno de baias e divisórias que delimitam áreas minúsculas, onde imperam uma mesa e um computador. Um sentimento de nostalgia depositou-se sobre mim, pois aquele fora, sem sombra de dúvidas, um excelente hospital.
Curiosamente, àquela mesma época, tive notícias do falecimento do doutor Carlos, em sua cela, no mesmo hospital psiquiátrico de outrora, onde continuava internado. Uns disseram que morrera asfixiado, outros que fora vítima de uma parada cardíaca. Eu de minha parte, prefiro não especular qual tenha sido a causa da sua morte. Quando o encontraram, da sua boca escorria um filete de sangue que encharcava a camisa de força, e alguns de seus dentes, talvez devido à medicação que tomava, ou por tê-los se submetido a algum esforço excessivo, estavam amolecidos. Dadas às circunstâncias do óbito, a perícia foi ao local, investigar, nada encontraram de notável, exceto uma seringa vazia, encontrada sob o cadáver do malfadado doutor. 

Marco Roberto de Oliveira